Fator Rh negativo na gravidez: como isso pode afetar a saúde do bebê?

Posted on Jun 28 2012 - 8:02am by Mamães.net

 

Apesar de estar dentro da barriga da mãe, o bebê é resultado da união de dois gametas que vieram de pessoas diferentes. Por isso, os fetos possuem 50% de genes de cada um de seus pais. Assim, alguns problemas podem ser causados pela diferença entre um gene materno e outro que o seu filho possui, como, por exemplo, nos fatores Rh dos grupos sanguíneos.

 

Dessa forma, se a mãe tiver Rh negativo, e o bebê, positivo, poderá haver problemas. Isso porque quem tem esse fator positivo produz uma proteína chamada Antígeno D, que quando entra em contato com os sangues de grupos sanguíneos de fatores Rh negativos e é vista como “inimiga”, o que ativa os anticorpos desses que tentam destruí-la. A esse fenômeno, que envolve o Rh negativo na gravidez, dá-se o nome de Sensibilização.

Cuidados na hora do parto.

No entanto, se isso ocorrer na primeira gestação, não haverá problemas para a saúde do bebê, nem da mãe. Entretanto, caso haja uma segunda gravidez, e o feto, também, herdar o fator Rh positivo do pai, pode causar complicações mais sérias. Isso porque o organismo da mãe já estará sensibilizado contra o Antígeno D e os anticorpos criados no primeiro parto permanecerão na sua corrente sanguínea.

 

Assim, caso o sangue da mãe se misturar com o da placenta, na segunda gravidez, ocorrerá a Eritroblastose Fetal, que é quando os anticorpos maternos tentarão destruir os do sangue do feto e causam problemas na saúde do bebê, como icterícia, anemia e até insuficiência cardíaca e hepática no bebê, devido a essa complicação causados por mulheres com Rh negativo na gravidez.

 

Por isso, as mães que possuem Rh negativo na gravidez devem fazer exames constantes para ver se os seus sangues foram sensibilizados quando estavam grávidas dos outros filhos com sangues de grupos sanguíneos fatores Rh positivos.

 

Além disso, normalmente, logo que os bebês nascem, são feitos testes para ver quais são os seus fatores Rh. Em caso de serem positivos, e os de suas mães, negativos, pode ainda dar tempo de aplicar uma injeção de imunoglobulina anti-D, que impedirá que o seu sangue seja sensibilizado pelo do bebê. Caso não tenha havido tempo, e a mãe tenha produzido os anticorpos, os médicos deverão monitorar constantemente a saúde do feto a fim de verificar se tudo está em ordem.