O que é gravidez anembrionada? Saiba tudo

Posted on Sep 10 2012 - 5:32am by cristina.castillo@pannacottagroup.com

 

 

Não chega a ser exatamente pequeno o número de mulheres que sofrem aborto espontâneo, principalmente na primeira gravidez – a estimativa é que cerca de 15% das gestações acabem no início do primeiro semestre, e destes, 6% dos casos sejam de gravidez anembrionária, o popular ovo cego.

 

Seja por dificuldade de engravidar ou por escolha, a idade para tentar o primeiro filho está aumentando e com ela também alguns problemas. A gravidez depois dos 30 costuma ser mais difícil – aumentam os riscos de ter gêmeos ou trigêmeos, de o bebê ter Síndrome de Down, de a mulher desenvolver hipertensão ou diabetes, além dela estar mais sujeita ao aborto espontâneo e o feto a alguma anomalia cromossômica grave, que acredita-se seja uma das causas da gravidez anembrionada.

 


De acordo com especialistas, ela acontece desde o início dos tempos, mas suas causas não estão completamente desvendadas. Ela pode acontecer com qualquer mulher e é possível que haja maior incidência em gravidez depois dos 30, mas não há estudos que comprovem a relação com a idade.

 

Como a mulher não sente nenhum sintoma e a taxa hormonal demora um pouco para cair mantendo a sensação de gravidez, normalmente a descoberta só se dá através de ultrassom feito no início do primeiro trimestre.
Quando ocorre a fertilização, as células começam a se dividir e algumas formarão o embrião, outras a placenta e outras o saco gestacional. A gravidez anembrionada ocorre quando, por algum motivo – que parece estar relacionado a algum tipo de malformação fetal – o óvulo fertilizado se prende na parede uterina, mas o embrião não se desenvolve.

 

Ou seja, o desenvolvimento do embrião para, mas o saco gestacional e a placenta continuam normalmente. O aborto espontâneo demora a acontecer porque o organismo não reconhece que o saco gestacional está vazio porque os hormônios ainda estão sendo produzidos.

 

 


O exame costuma ser repetido cerca de dez dias depois do primeiro e, uma vez confirmado o diagnóstico, há a opção de esperar um aborto espontâneo acontecer ou remover os resíduos cirurgicamente. Como a gravidez anembrionada está relacionado a apenas aquele determinado óvulo – e não a toda reserva feminina – ela não acarreta em dificuldade de engravidar outras veze, não havendo nenhuma correlação ou riscos para as gestações posteriores.