Grávida pode andar em carro com airbag?

by Mamães.net on October 10, 2012

 

 

Uma questão de segurança durante a gravidez é saber se a utilização de um carro com airbag pode ser prejudicial para a saúde do bebê.

 
Atualmente é difícil encontrar um carro que não tenha airbag. Esse é um sistema que contribui bastante para a segurança dos passageiros dos automóveis e que funciona através de um saco de tecido que infla e que cria uma barreira entre a pessoa e o painel do veículo, ora isso significa, que a colisão, caso exista, é feita contra o saco que tem uma superfície mais suave e que amortece choques graves que podem mesmo ser mortais sem essa proteção.

 

Publicidade - LAMG

 

Em relação às grávidas, alguns fabricantes recomendam que as mesmas não se sentem no banco da frente de carros que tenham airbag. É aconselhável que as mulheres durante a gravidez tenham o máximo dos cuidados e um deles, é seguir sempre no banco de trás do carro.

 

 

 

Dessa forma, mesmo que exista uma colisão, a grávida estará protegida pelo cinto e pelo banco da frente evitando assim bater com a barriga no saco do airbag que ocupa muito mais volume.

 

 

Os especialistas recomendam então que, as grávidas, coloquem o assento do carro tão para trás quanto possível e que se sentem com uma boa postura e com o cinto de segurança bem justo. Dessa forma, em caso de colisão, o corpo se movimentará pouco e não embaterá em qualquer obstáculo.

 

 

 

A grande maioria das grávidas vai ter de se deslocar de carro durante a gravidez e é muitas vezes difícil obedecer a certas regras de segurança como a de não usar um carro com airbag.

 

 

Aquilo que é recomendado para todas as grávidas e restantes pessoas, é que viajem sempre seguindo as regras básicas de trânsito, que não andem em excesso de velocidade, conduzam a uma boa distância do veículo da frente e obedeçam a toda a sinalização existente. Dessa forma, a gestante estará protegida e garante ao bebê toda a proteção e saúde para que tenha uma gestação sem qualquer problema.

Anterior:

Seguinte:

Deixe um comentário