Do Começo: Amamentação, um ato de amor

Posted on Dec 26 2012 - 12:05pm by cristina.castillo@pannacottagroup.com

amamentacao ato de amor

 

Todo mundo fala que a amamentação é difícil. E é mesmo! Nesta fase de recém-nascido então, eu descrevo como ENTREGA TOTAL da mãe para o filho. É lindo! Mas, todas as mães devem passar por um período de adaptação e literalmente APRENDER a amamentar. Eu ainda estou aprendendo, e a cada dia é uma surpresa nova.

 

A primeira vez que ofereci o seio para a Maria Eduarda foi na maternidade. Como fiz cesária, o leite demorou a descer. Mesmo assim, temos que dar o seio para estimular a produção de leite. Tenho que dizer… amamentar não é como nos comerciais, aquela mãe sorridente, com um bebê lindo nos braços, em uma atmosfera romântica.

 

Dói! Dói e muito! Nos primeiros dias chorei de dor. Mas aí é que está a magia da amamentação. Mesmo com dor, ela chorava e eu pedia pelo amor de Deus  para ela mamar, já que ela é preguiçosa e não podia perder peso.

 

Nestas horas a participação do papai é fundamental. Quando sentia dor, meu marido estava ali, ao meu lado. Mesmo silenciosamente ele me dava a mão. Isso me deu forças!

Usei concha para ajudar a formar o bico. E meu médico me receitou uma pomada milagrosa que passo depois de cada mamada. No terceiro dia de amamentação já não sentia mais dor. Mas, depois da dor, vem a dependência.

 

Quando se amamenta com leite materno, o vínculo mãe e filho é maravilhoso, mas os descansos são menores também. De madrugada, não há papai que resolva se a chave do fim do choro é o seio da mamãe.

 

Para incluir o papai no processo, podemos tirar nosso leite e colocar na mamadeira para que ele dê algumas mamadas. Mas eu quebrei a minha bombinha e agora só dia 30 de dezembro para eu dar uma descansada.

 

Quando a pediatra mandou eu dar complemento para a Maria Eduarda, por causa da icterícia, eu queria chorar. Só passava pela minha cabeça o medo de ela abandonar meu peito. Como é engraçado ser mãe! A gente sofre de dor por amamentar, mas morre de medo de não poder mais dar o peito.

 

Hoje, 20 dias depois  que a Duda nasceu, amamentar está sendo maravilhoso. Mas, é preciso insistência, é preciso doação, é preciso colocar os interesses do seu filho acima dos seus. Então, se seu início de amamentação está atribulado, pense que é só no comecinho. Não desista! Não abra mão desse ato de amor.

 

Branca Andrade é jornalista e acabou de ganhar a primeira filha. Como mamãe de primeira viagem, vai escrever regularmente aqui no Do Começo. Acompanhe!