Vida de Casal: Sexo saudável no casamento

Posted on Feb 22 2013 - 2:24am by cristina.castillo@pannacottagroup.com

 

De acordo com a escritora Jane Austen, “metade da população não entende os prazeres do outro”. Assim, convido você a considerar as várias maneiras pela qual você sabota um relacionamento sexual com o parceiro, por não entender os prazeres do outro ou tão pouco de si próprio. Seja, por exemplo, por crença religiosa, atitude e o preconceito sobre sexualidade, ou seja, sobre as preferências, predisposições ou experiências sexuais de um indivíduo, que contribuem para problemas no relacionamento conjugal e na falta de intimidade, levando a repressão e frustração sexual de um ou de ambos.

 

De início, escolha a frase que mais se aproxima da forma de pensar no casamento. As respostas revelarão preferências e predisposições sobre sexualidade:

 

A.    O desejo sexual é fácil de controlar.

B.     O desejo sexual é incontrolável.

A.    Desejo sexual é sempre minha escolha

B.     Desejo sexual é um ato de obrigação.

A.    Me sinto energizada e revigorada durante o ato sexual.

B.     Me sinto oprimida, deprimida durante o ato sexual.

A.    Durante o ato sexual divido minha energia positiva com o meu parceiro.

B.     Durante o ato sexual me sinto deprimida e com sentimento de culpa, como se estivesse fazendo algo repulsivo, desagradável com o outro.

A.    Comunicação clara e transparente e necessário sobre as preferências sexuais.

B.     Comunicação não e necessário sobre sexualidade. Basta fazer que todos fazem.

A.    Sexo deve ser um ato privado.

B.     Sexo deve ser feito em segredo.

A.    Sexo deve ser um ato de mutuo respeito.

B.     Sexo pode e deve ser abusivo, um ato de submissão do outro.

A.    Sexo deve ser um ato de prazer para ambos.

B.     Sexo pode ser egoísta.

A.    Sexo deve ser um ato sublime e intimo.

B.     Sexo pode ser um ato físico sem qualquer envolvimento emocional mais profundo entre os dois indivíduos.

A.    Sexo na maioria das vezes me faz sentir muito bem, exultante e alegre.

B.     Sexo na maioria das vezes me faz sentir envergonhada e humilhada.

 

As opções “A” refletem atitude sexual saudável, as opções “B” refletem atitude negativa e autoritária sobre sexualidade.

 

Como diferenciar entre as atitudes saudáveis e negativas?  Uma  pessoa poderia imaginar ter relações sexuais com um robô?  Será que no futuro um robô poderia ser considerado um adulto que consinta ato sexual ou um escravo sexual? Será que os humanos desenvolverão sentimentos de atracão e apego emocional com  robôs, como fazem com outros seres humanos, ou sexo mecanizado será um simples ato mecânico, sem qualquer apego afetivo ou emocional?

 

Até há pouco tempo atrás, relacionamentos entre pessoas de diferentes grupos sociais, raciais ou entre indivíduos do mesmo sexo, não eram permitidos. Verifica-se a sociedade mudar de atitude entre o que serea normal ou anormal através do processo de descobrimento e curiosidade sobre aquilo que desconheceria. Ou seja, é através do processo educativo que os indivíduos ser tornam mais seguros, generosos e tolerantes uns com os outros, e consigo mesmo.
Portanto, convido você a questionar a sua forma de pensar e conversar com seu parceiro sobre sexualidade. Qual forma de relacionamento sexual entre adultos consideraria repugnante? Que tipo de relacionamento sexual se recusaria a ter por conta da sua educação ou formação? Quando e como se sentiria mais desejável sexualmente? Qual seria sua opinião sobre o ato sexual? Sexo seria um ato físico sem qualquer envolvimento emocional mais profundo entre dois indivíduos, ou seria necessário haver o componente emocional?

 

A menos que se esteja disposto a examinar com atenção e sinceridade a própria inibição com relação ao ato sexual e sua sexualidade, para assim tentar descobrir suas limitações, o indivíduo estaria se enganando e impondo barreiras a possibilidade de se expressar e conhecer saudáveis experiências sexuais. Seja qual for a preferência sexual, deve-se procurar a sinceridade pessoal e para com o parceiro; não há nada mais saudável e sensual do que a prática da honestidade no relacionamento sexual.

 

Obrigado pela visita. Volte Sempre.

Rosana Brasil

 

Rosana Brasil é colaboradora do Mamães.net e escreve quinzenalmente sobre vida em família e relacionamentos na seção Vida de Casal.